segunda-feira, agosto 11, 2008

Na prática, a teoria é outra

Minha sempre me disse isso, a vida inteira. Pior que ela tem razão.
Os livros de auto-ajuda, as terapeutas e mais não sei quem dizem o tempo todo que sua vida é resultado das suas escolhas, que você é exatamente o que você preferiu ser.
Não é que esteja errado... mas, pombas, e quando a gente quer escolher duas coisas? A gente quer a escolha que fez e também a escolha que não fez? Parece tão difícil assim compreender isso?
Desconhecer o limite exato do que é estar livre, do que é idealizar o mundo, de até onde posso ir, de até onde quero ir...
Eu não estou mal, eu não estou triste. Mas eu não sei se estou fazendo a coisa certa. Eu não sei se há coisa certa a fazer. Eu queria que tomassem conta de mim e me dessem uma direção.
E não me venham com: "as respostas estão em você mesma" ou "você é a única que pode fazer isso por você". Eu sei de tudo isso. Todas as respostas estão escritas dentro de mim. Mas eu sou analfabeta de mim mesma.

3 comentários:

Anônimo disse...

Querida Samara
A preocupação não é só tua.
"A gente quer a escolha que fez e também a escolha que não fez"
Mas quando chegar o dia de se arrepender e pensar que poderia ter seguido outro caminho, já haverão novas escolhas pra gente fazer.
É a vida.
Te adoro
Karine

Karine disse...

Em tempo: haverá novas escolhas...

lola aronovich disse...

Às vezes eu também me sinto "analfabeta de mim mesma". Aliás, será que alguém não se sente assim, mesmo que seja de vez em quando? Abração!