segunda-feira, dezembro 22, 2008

Da passagem do tempo

Eu queria ter escrito longamente sobre coisas geniais que aconteceram ainda esse ano. Mas o tempo passa e nos apressa e nos obriga a escrever sobre o que vem.
Então eu vou passar batido pelo show do Lenine em que a Bellit me levou. Só vou dizer que amo, amo, amo esse cara, ele é um dos interpretes mais fabulosos que eu já vi. Maravilha.
Não vou contar da felicidade de fazer um workshop de snujs que realmente faz sentido com o Tuerlinckx, porque já puxo o saco dele o suficiente nesse blog.
Nem vou conseguir descrever a alegria de ter finalmente, invadido um pouquinho mais o mundo cigano e feito um work de Introdução à Música Húngara e Dança com Fitas com a Sayonara Linhares. Foi muito energético e deu para levantar a pontinha do véu desse mundo novo. Haja panturrilha! E a Sayo é, mesmo, aquela pessoa mais doce, simpática e deliciosa do mundo como a dança dela já dizia.

Mas isso tudo foi 2008. Agora vou imitar Roberta Salgueiro e compartilhar com vocês minhas resoluções de ano novo. Se tudo o que ela faz é bom, porque isso não haveria de ser?

1. Ir a todas as cerimônias deste ano. (Resolução de cunho religioso que fica muito longo de explicar.)
2. Apresentar ao menos duas pessoas. (Idem)
3. Voltar a ser jornalista.
4. MORAR MELHOR
5. Perder 15 kg.
6. Cuidar do diabetes.
7. Dançar pelo menos 15 minutos, três vezes por semana, fora as aulas.
8. Preparar uma apresentação decente para meu aniver, em junho.
9. Estudar derbake 15 minutos por dia.
10. Entrar no Coral da PUC.

É isso. Boa sorte para mim. E um novo Ano maravilhoso para todos vocês. ^^

quinta-feira, dezembro 11, 2008

A noite dos aprendizes de derbakista loucos (ou seria dos aprendizes do derbakista louco?)

Ontem, no Souq, foi a grande reunião de desajuizados de Porto Alegre. Ou seja, daqueles que entre tantas formas de lazer possíveis, resolveram aprender a tocar um instrumento tão difícil como o derbake.
Estavam lá o par de arcanjos Gabriel e Rafael, Eduardo e seu estilo muito peculiar, César e o derbake & case dos sonhos de todo mundo (com nota fiscal e tudo), eu e Karine (com o inseparável maridão) – as aprendizes incorrigíveis e, como não podia deixar de ser, o mentor intelectual do crime, o homem que nos guia nessa senda tortuosa de duns, taks, saks e rashimis: Fabiano Tuerlinckx.
Foi absolutamente divertido. Fuçamos os instrumentos uns dos outros, cometemos umas tocadinhas, descobrimos que algumas pessoas tocam a tabla em diferentes suportes no corpo e que outras, além de fazerem de seu derbake uma arma.... deixa para lá. Foi ótimo por demais. "Nosso" bar é um lugar ideal para essas reuniões de família. O único ponto negativo é que faltou muita gente.
Dizem as boas, as más e as médias línguas que desse encontro resultará uma apresentação no primeiro mês do novo ano. Na verdade, foi um compromisso firmado. Mas muita gente finge que são só boatos.

sábado, novembro 29, 2008

Zahira Razi e Douglas Felis no Souq – Apresentação relâmpago para poucos privilegiados

Afinal, a grande apresentação é só amanhã.

E tudo começa com duas performances de Zahira com música gravada: Taht il Shibbak e Tamra Henna parte 2. Uma dança de movimentos delicados, minuciosos e muito limpos. Uma delícia de se ver. E o principal, criativa, sem nenhum ranço das interpretações consagradas: nada de Dina ou Naima Akef aqui. Nem mesmo da mestra Karina. Só Zahira, no auge de sua expressão. Linda.

Depois chegou Douglas, para mostrar a que veio. Não dá pra falar em meio termo: o cara toca bagarai. Começou com um solo de derbake.
E, vou te contar: não basta ser boa dançarina. É preciso ter fôlego, muito folêgo para dançar para Douglas. Porque ele toca bem. E rápido. E por muito tempo. Por sorte, Zahira, além de boa dançarina, está em muito boa forma. Foi lindo, claro. Mas... ufa!

Em seguida, voz e dois bendires (para que tocar um instrumento por vez, né?). Uma coisa mais ritmo, mais raiz, com acompanhamento de palmas. Muito bom.
No final, um solinho de daff de Douglas, o homem para o qual ainda não ensinaram que um daff é mais limitado que um derbake. Uma coisa.

Enfim, uma daquelas pérolas que eu agradeço muito a Deus por ter presenciado.^^ (E ultimamente ele tem sido um bocaaaaaado generoso.)

quarta-feira, novembro 26, 2008

Al Nur 2008 - Bento Gonçalves (RS)

UPDATE: AS FOTOS ESTÃO AQUI!

São tantas coisas a contar. Por onde começar, meu Deus?
"Roubaram meu F100 (cante-se "efetchento", que é como a italianada daqui pronuncia), non posso mais vortá pra Bento..." Bom, nada a ver, na verdade essa é só a musiquinha infame de que eu me lembrei quando decidi que faria a viagem.
Vou resumir a história, que foi uma novela. Não consegui hospedagem gratuita, nem carona, nem nada parecido, como aconteceria se eu me dispusesse a fazer show e workshop em qualquer outro lugar do Brasil que fique de São Paulo pra cima. Tive que ir por minha conta (pequena por sinal) e risco. Mas fui assim mesmo. Encasquetei que tinha que ver o solo da Ket. Ao vivo. Porque, afinal, Bento fica a apenas 2h daqui. Fui.
Também não contarei as peripécias de viagem, alojamento e de como é difícil achar uma manicure num sábado a tarde em cidade do interior (povo de lá que me perdoe, vocês são umas fofas, mas morro de amores por interior, não), sem agendamento prévio. Enfim, vamos ao show que interessa mais.

O SHOW

Tinha um número estupendamente grande de pessoas para as minhas expectativas. Fiquei feliz. Se aquilo tudo é família de bailarina, as famílias em Bento são gigantes. Clima bem legal.
O show começa com um baladi muito correto de Michele Pletsch. Em seguida veio a coreo de saidi campeã do Bento em Dança desse ano. Uma coreografia simples, mas forte. É a primeira vez que vejo Ket dançar e o olhar dela me captura de cara. Outra coisa que é muito gostosa de ver é como elas gostam de dançar umas com as outras.
Sinto falta dessa sensação de grupo – que já tive. A única coisa ruim dela é que, quando acaba, muitas pensam em desistir. Eu sou egoísta, sempre dancei muito para mim. Não voltada para mim, mas por motivos pessoais. Nem na pior das crises da vida, consegui parar.
(Digressão, digressão. Voltemos ao show.)
Eu não vou citar coreografia por coreografia porque o show foi enorme. Sério. Foi um dos mais longos show de dança que eu já assisti na minha vida – e foram muito curtos e raros os momentos em que ele ficou enfadonho (coisas de solo, vocês sabem).
Nunca tinha visto tantas coreografias de solo de derbake juntas. Mas não se perdeu a criatividade, nem ficaram chatas. Achei legal.
Khaleege, pandeiro, véus. Tudo muito gostoso, meninas muito empenhadas.
Mas eu tenho que falar. Do solo. Da Ket. Peraí.

O SOLO DA KET

Caraca, o solo da Ket, o solo da Ket, o solo da Ket. Normalmente sou mais fãs de mulheres feitas do que de meninas no palco. Mas a Ket sabia o que estava fazendo lá. Mesmo.
Desde o começo, como sei que ela é muito ligada na parte técnica, temia um surto pirotécnico a la Saida, sem muita emoção. Mas não. Ela pode não ter terminado de amadurecer, mas já é esperta como só as mulheres sabem ser.
O resultado foi um baladi seguro, gostoso, limpo. Criativo, sem deixar de ser raqs sharqi. Bonito que só. E o mais importante para mim: emocionado.
Ket não imita dançarinas maduras no palco. Nem finge ser a menininha que já não é. Ket tem exatamente o charme da sua idade, o frescor que a gente só tem aos 19 anos – e os aproveita integralmente.
Seu solo foi um doce. Tenho medo da palavra. Mas, para mim, o solo de Ket foi perfeito. Teria me enrolado o dobro e viajado o triplo para vê-lo. Se a viagem não valesse por mais nada, teria sido plenamente recomendado pelo solo dessa moça.
Bom, o show teve mais coisas dignas de nota. Na verdade, muitas mais, mas eu vou só nas mais mais mais porque senão ninguém chega ao fim desse post.
Tinha uma dançarina, Rúbia (descobri depois), que roubava totalmente a cena. Além de linda (lembrava minha amiga Cris Gonçalves, principalmente na postura), ela tinha a expressão de diva mais perfeita que eu já vi. E não, a moça não está nos padrões de peso e altura e era uma negra dançando numa cidade de colonização italiana – realização que exige muito peito! Segura, feliz de dançar, serena – e de vez em quando ela nos presenteava com um sorrisinho maroto, coisa mais linda. E além de tudo, dança praca. É tão bom quando uma bailarina me surpreende e encanta assim. Graças a Deus, nem tudo é bizarrice do YouTube nessa vida!

E, claro, não consigo deixar de babar no solo do Tuerlinckx. Eu vejo ele tocar toda santa semana (sou aluna dele), mas não me acostumo com o tanto que a criatura toca. Pior que isso, numa performance, ele fica completamente entregue pro negócio, chega a tocar de olhos fechados. É muito bonito ver uma pessoa entregue à sua arte desse jeito, a gente fica olhando com a respiração suspensa, é quase um transe religioso. Lindo, enfim.

Depois teve pizza e olelê, mas essa parte vou deixar pra Ket contar.^^

Dia seguinte, workshop. A parte de ritmos não chega a ser uma novidade para mim, pois estou estudando ritmos com a Karina e é só o que vemos na aula de derbake. Mas cada profe tem sua interpretação e Michele se mostrou muito afável e segura. "Loco de especial", como diria o pessoal daqui foi a "pincelada" de snujs que o Tuerlinckx deu. Valeu por muitas aulas. É muito diferente ter aula de snuj com um músico e não com uma bailarina (que em geral tem uma noção muito mais limitada e limitante) ou com um dono de casa de chá.

Mais tarde rolou uma desmontagenzinha básica de cenário e voltei pra Porto Alegre. Valeu muito a pena.
(As fotos eu posto assim que religarem a internet lá em casa. Infelizmente, poucas ficaram boas. Primeiro porque eu tava com uma máquina meia boca. Segundo porque vou Ter que tirar o MALA do cinegrafista de TODAS as fotos, porque ele fez o favor de ficar EM PÉ (e olha que ele tinha mais de 1,80m!) no canto direito do palco o tempo todo!><)

segunda-feira, novembro 17, 2008

Mais gatinhas

Agora, em movimento!
(Desculpem não colocar o vídeo aqui direto, mas a maioria dos computadores que eu uso não suportam o sistema de carregamento do Google...)

sábado, novembro 15, 2008

Dahab especial no Souq: Derbakes & Anisah Parvaneh

Foi uma apresentação simples e despretensiosa, como as melhores coisas da vida. Mestre Tuerlinckx e seus discípulos (meus sempai ^^) tocando para a bela Anisah dançar. Intimista, no meu bar preferido – fui ver por gosto e sem muita expectativa. Assim, de boa, como se diz em Minas.
Quando a apresentação começou, confesso que fiquei meio tonta com o excesso de informação. Queria prestar atenção nas mãos do Tuerlinckx (sim, eu estudo o Mestre ao vivo...), na coordenação dos meninos – Rafael e Gabriel, um par de anjos - (sim, eu queria saber até onde posso ir com esse negócio de derbake...) e na bailarina – porque, afinal, se aprende muito num improviso de percussão.
Aí, fiquei lá, dividinha, tentando prestar atenção em tudo com os meus parcos neurônios, mas não teve jeito: a moça roubou a cena e os meus olhos em poucos segundos. Que dança bem boa! Nada acrobático, nada de combos, nenhuma pretensão. Só uma leitura musical perfeita, uma criatividade natural, uma expressão de derreter de tão doce e charmosa. Em suma, uma delícia. Dança do ventre em seu estado puro e belo.
Fico muito feliz quando sou surpreendida assim. Conhecia a Anisah de bater papo (em mais um dos shows que eu fui ver sozinha nessa minha bizarra vida social) e tinha comigo que ela dançava bem. Porque ela é um doce, sabe? Simpática, humilde, nada fútil. E a minha experiência já me ensinou que você até pode ter uma boa mulher dançando pouco por falta de técnica, mas nunca vai ter uma boa bailarina onde falta caráter.
Claro que tinha pessoas dançantes presentes incapazes de um sorriso ou uma expressão de simpatia. Mas a gente dá um desconto porque esse tipo de comportamento em geral deriva dos sentimentos menos nobres dos seres humanos – e cada um tá num grau de evolução espiritual, né?
De qualquer forma, eu sai bem satisfeita! ^_____________^

UPDATE: Vejam (o que a iluminação permitir) e concordem (ou discordem, se conseguirem) comigo!

terça-feira, novembro 11, 2008

Da força do amor e das palavras

Eu me chamo Samara. Mas quando tua boca pronuncia meu nome é como se eu já não me chamasse mais.
"Samara", dizes e é como se a palavra pertencesse mais à tua boca que a mim. Mais: é como se saísse lenta da tua boca e me cobrisse como um mel cálido.

domingo, novembro 09, 2008

Gatinhas

Depois que o Google comprou essa bagaça, o serviço de postagem de fotos está uma merda.

Vejam fotos da Ayala aqui: http://www.orkut.com.br/Main#Album.aspx?uid=7247887050715980943&aid=1224009800

Obrigada!

sexta-feira, outubro 10, 2008

Incursão de uma raqsa* ao mundo cigano

(Anotações da minha agenda, porque eu fui sozinha no show e preciso falar nem que seja comigo mesma.)

Cheguei um pouco antes, como sempre. Até agora, registro um atraso de 30 minutos. Odeio evento que não tá nem aí pro público, odeio atrasos!
Pra ajudar, esse bar é ridiculamente caro - R$ 4,00 por um refri!!! Ah, e água conta como refri! R$ 9,00 por uma porção ínfima de provolone. Odea, odea!
Daqui a pouco começa a mostra da dança, que segundo um cigano que conheci na net, nunca foi vista por um não cigano, nem ensinada a qualquer deles. Para um público de não ciganos, executada por não ciganos... Enfim. Se for boa dança, tá valendo. A DV também tem suas origens obscuras.
Afinal, para mim, isso é aperitivo. Vim ver DV.

Outra-observação: o lugar é mega escuro, mal enxergo minha maquiagem no espelho. Quero ver como vão trabalhar a iluminação na hora da dança. Isso aqui é grande, não é um ambiente intimista como o Souq.
(Update: no fim, a luz tava bem boa.)
(Engraçado "administrar" uma mesa sozinha! Estou sempre acostumada a dividir o espaço com muita gente, ou pelo menos com mais um, em mesas de bar...)

Fui até a recepção e encaminhei uma reclamação para a organizadora. Acho uma hora atraso demais, para qualquer evento. Alegaram que alguns dançarinos ficaram presos no trânsito... (Ás 8h30 (já eram 9h) da noite em Porto Alegre? Conta outra!!!)
Além disso, não justifica. Conheço quem dança e aqui tem bailarino suficiente para uma hora de show, pelo menos. Se eu tivesse uma amiga pelo menos me acompanhando, ia embora e exigia minha grana de volta!

Oba! DV!
Hmmm... Saied Balaha para gawazee? Sandra Rosa Madalena? Ai.

Alongamento de braço é realmente uma coisa fundamental, como diria Karina.

Bailarina tonta rodando e bailarina se trombando é triste. Não entendo de dança cigana, mas acho que ter muito giro não quer dizer que É SÓ giro...

Algumas apresentações parecem apenas DV básica com saias.

Karina sempre impecável. Faz coisas lindas com aquela saia - e nada DV, por sinal. É linda pacas, aliás. Mas tem um pontinho diferente do normal dela nessa dança. Não consigo identificar. (Mais tarde ela me diz que é porque estava mais solta que o normal.)

Ninguém merece uma organizadora que usa o cinzeiro (vazio, porque nunca fui fumante) da sua mesa sem pedir licença e ainda fica fumando na sua cara. Minha rinite a milão.

Odeio ver homem dançar DV. Não tem nada a ver com homofobia, só não gosto. (Alguns egípcios eu SUPORTO pra estudar. Mas não gosto.) Principalmente quando a expressão é suja e a técnica podia ser bem melhor. Mas tem algo sobre esse moço que eu preciso declarar: ele é uma raqsa, seja tentando ser cigano, ou o que. E ele "se realiza" na coisa.

Chato! Chato! Chato! (Não aguento mais música estilo Gipsy Kings...)

O povo "cigano" ganham até da DV em música farofada! Dá-lhe "Don´t Let me Be Misunderstood"...

Água na minha mesa sem pedir licença. E dançarino que "se esquece" CONVERSANDO no palco enquanto outros estão entrando... Pelo jeito, a polidez anda mesmo em baixa nesse mundim.

PÁRA TUDO!!! O que é essa mulher dançando? Que coisa mais linda! Que mulher que dança tanto com a alma! Que coisa mais gostosa!

(Update: Depois fui atrás dela para tietar e para descobrir quem era. A fofa se chama Sayonara Linhares e eu só não postei nada dela aqui porque simplesmente não existe vídeo dela disponível na Internet. Uma deusa, simples assim. Eu não entendo picas de dança cigana, mas ela dança formidavelmente, seja lá como você queira chamar aquilo!)

Pandeiro cigano - bem legal e bem diferente do daff na maneira de trabalhar. (Música cigana com violinos, bem linda!)

Calcinha de bailarina aparecendo é mico. E cuequinha branca saindo toda da calça é o que?

Update: Depois entrei em contato com a organizadora e desci-lhe o pau no atraso. Ela alegou que o show havia começado na hora (21h30), que 20h era só o horário de chegada no bar... embora não constasse nada sobre isso no cartaz! Adicionalmente, duas dançarinas convidadas me afirmaram que a organizadora garantira que o espetáculo iniciaria
às 20h30. Enfim, respeito com o público também não está em alta.

* Karine e Samya Ju, sei bem os sentidos que raqsa tem no Egito, mas estou usando no brasileiro, apenas para abreviar "bailarina de dança do ventre", ok?

segunda-feira, outubro 06, 2008

Ayala

Eu estava passeando tranquilamente com Bellit pela Osvaldo Aranha. Aí ela disse: "Olha que bonitinho!" Não havia visto - mas era mesmo bonitinho. Um gatinho. Filhote, tigrado, um olhinho dodói. Não resisti e toquei com a mão no vidro: "Mas que coisa mais fofa!" E o bichinho se esfregou no vidro no ponto onde minha mão estava, pedindo carinho. Meu coração se partiu vendo aquela coisinha carinhosa isolada por um vidro. Entrei na loja para perguntar se era macho ou fêmea. Eles não sabiam, só o veterinário, mas eles estavam doando.
Dia seguinte de manhã liguei para descobrir que era uma menininha e declarar meu interesse.
E foi assim que Akiko ganhou uma irmãzinha.

Tensão

A chegada de Ayala não foi, como era de se esperar, só felicidade. Akiko ficou apavorada com a "invasão de território" e sem saber o que esperar daquele serzinho silencioso que tomava boa parte da atenção de seus "papais". Ficou com ciúme quando nos viu acariciando a pequena. Fez fusquinha até não poder mais. Mas passou. Agora as duas convivem pelo apartamento, disputam os cantinhos da nossa cama de noite. Ainda têm um bocado de medo uma da outra, mas do seu jeito, brincam.
Agora eu saio de casa feliz porque Akiko não me esperará mais sozinha. E Ayala também não fica mais sozinha numa gaiola, num fundo de pet shop.

Em breve, fotos das minhas meninas. Aguardem

quarta-feira, outubro 01, 2008

Rashimi - terror no derbake

Nem só de dum-dum-takata-dum-takata-taka-dumdum vivem as mulheres que aprendem derbake, senhoras e senhores. Esse tempo tava bom, apesar da dureza de acertar o ka com a mão esquerda, de fazer soar sempre, de soltar o pulso e os dedos sem deixá-los moles. Isso era difícil, mas a gente tava quase pegando a manha, parecia que tudo ia sair em breve.
O som que saía do instrumento ainda estava um pouco longe daquele que encontravamos em nossos CD favoritos, mas ah!, eles devem tocar com mais de um derbake, é isso.
Então, nesse momento quase lindo, Tuerlinckx nos apresenta o rashimi.
Rashimi, caro leitor leigo, é enfiar duas notas onde antes só cabia uma. É dividir por oito um tempo musical que você vinha dividindo impunemente por quatro. É fazer a sua mão se mover duas vezes mais rápido do que ela já vinha a custo se movendo.
Resumindo: Ô coisa mais difícil bagarai!!!

P.S.: Mas tudo continua sendo uma delícia assim mesmo! :)

segunda-feira, setembro 29, 2008

Febre de primavera

Não sei, é que de repente a gente fez uma dança de saudação da primavera na aula, e teve aquela breja mais que bem vinda com a amiga recentemente encontrada e ainda mais bem vinda na sexta e um final de semana delicioso em Santa Maria, confraternizando com muitos amigos e um sol maravilhoso.
Aí hoje é segunda e eu estou trabalhando, claro. Mas tem um sol brilhandão lá fora e eu estou com vontade de sair dançando e cantando por entre as árvores da Redenção, em vez de.
Oh, vida! ^_^

segunda-feira, setembro 22, 2008

Mais de Akiko

Só para contar que ela já tirou aquele cone torturante da cabecinha. E que o corte cicatrizou muito bem , graças a Deus. E que os pelinhos já estão crescendinho, o que era branco já está cinza e logo ficará pretinho de novo.
E que ela já está sapeca, endiabrada, aprontando todas no apartamento. Ainda bem.
E que hoje ela me acordou às quatro da manhã ronronando no meu peito. E eu fiquei feliz de acordar. E, se isso não for amor, não sei mais o que é.

terça-feira, setembro 16, 2008

Me digam se não ficou uma coisa linda de morrer

video

Douglas Felis, Karina Iman nos snujs e Zahira Razi interpretando

quinta-feira, setembro 11, 2008

Ninguém lê blogs em dias de chuva

Mas eu escrevo, claro. E como chove! Entretanto, aqui me sinto mais quentinha. É, aqui no blog. Virou minha casa de novo. O lugar onde escrevo à vontade.
Akiko já está melhor, mas ainda faltam seis longos dias para tirar aquela porra daquele cone da cabeça dela. Tudo bem, menos mal.
Meu professor de técnica vocal ficou doente essa semana e sinto quase fisicamente a falta do canto. Cara, betaendorfina vicia mesmo!
As aulas de dança estão cada vez melhores. Queria mais tempo e espaço para estudar, só isso! Mas está muito melhor do que antes, quando não fazia aulas, isso sem dúvida. As aulas de derbake estão ajudando bastante com os ritmos, sem dúvida.
Por falar nelas, que coisa fantástica! Minha cabeça se enrola ainda com a contagem dos tempo, mas eu chego lá. O fato é que estou muito apaixonada pela coisa. Fico batendo em mesas, bancos de ônibus, no próprio braço na fila do banco. Doida, completamente doida.

A confusão, entretanto, continua.

quarta-feira, setembro 10, 2008

Café e tâmaras

Lanchinho de diabética. É bom - as tâmaras substituem bem os bombons de outros tempos. Café sem açúcar, claro.
Chuvinha. Tudo parece bem.
Tudo está bem.
Tudo está bem?
Então porque essa sensação de tempestade desabando no meio do céu a qualquer minuto - com todos os guarda-chuvas excelentes que você comprou nos últimos tempos, ainda dá medo.
E acho que o medo é de mim mesma.

sábado, setembro 06, 2008

Castração

Hoje Akiko voltou da clínica, depois de três dias de isolamento, sedação e dor. Segundo a veterinária de lá, ela ficou furiosa com todo o procedimento. "Ela não é nada mansa." Mentira, ela é mansa, sim. Fiquei com vontade de perguntar para a moça como ela reagiria se arrancassem ela de casa, depilassem metade dela, sedassem, abrissem, tirassem dela orgãos de vital importância sem que sequer ela soubesse o porquê e ainda a mantivessem com dor e dentro duma névoa de remédios, por dois dias inteiros, longe do ambiente e das pessoas que ela ama. Será que ela ia ficar bem relaxada? Que puxa. Ah, sim, e com um cone de plástico na cabeça, tirando todo o senso de orientação e visão periférica.
Eu sei, não precisam me dizer. Sei os perigos que uma gata não castrada corre, sei da trabalheira, sei de tudo. Mas ainda acho o processo todo muito truculento.
E cada vez que eu vejo aquela barriguinha, antes bem peludinha de bebê, depilada e cheia de pontos, dói um bocado em mim.

sexta-feira, setembro 05, 2008

Meus dias de São Bernardo*

Estou num período um bocado dedicado às artes. Não sei se comentei, mas além de aulas de dança e de derbake, estou tendo aulas de técnica vocal. E pessoas, é uma delícia.
O professor é um dos melhores que já existiu: Pedro S*pohr, um dos regentes do coral da PUC de cá. Além de ser profundamente competente no que faz, ele é uma pessoa doce, deliciosa, adorável e sem arestas, que valia a pena estar lá só para conviver com ele.
Descobri que sou soprano, e um bocado soprano. Com isso não quero dizer que minha voz é maravilhosa e tenho um super domínio dela (quem me dera, domínio é tudo que me falta), mas que a minha "zona de conforto" para cantar fica lá nas alturas agudas, em notas que eu nem sabia que seria capaz de emitir.
E isso é muito mágico. É difícil, não pensem que é fácil. Exige um monte de postura e uma intensa concentração em partes jamais antes exploradas do nosso corpinho para se obter um resultado mínimo. (Aliás, nisso é bem parecido com dançar.) Mas é uma das coisas mais prazerosas que eu já fiz na vida.
A gente sai de uma aula dessas com a alegria boboca que normalmente nos dá uma noite de amor que durou umas seis horas consecutivas.
Jamais pensei que viria a gostar de canto lírico. Pra onde nos leva a vida, né?

* Esse post tem esse nome baseado na teoria de meu professor sobre a respiração fox terrier (curta, que faz subir a laringe e tranca a garganta) e a respiração são bernardo (profunda, que abre a garganta e tudo o mais, facilitando a emissão do som). Só um dos duzentos itens em que a gente tem que se concentrar. ^_^

quinta-feira, setembro 04, 2008

Curso de boas maneiras por correspondência

(Fila do Banrisul, agência Bom Fim, uma das maiores da cidade.)

Toc-toc no ombro.
- Tu não precisa pegar esta fila, vai lá na fila das gestantes.
- Meu senhor, eu não estou grávida, só sou gorda mesmo. (Sorriso. Porque sorrir é preciso.)
Toc-toc.
- Mas vai lá, se tu não disser nada, ninguém vai perceber.
- Agradeço sua extrema gentileza, mas dispenso. (Sorriso. Bem mais forçado que da primeira vez.)

terça-feira, setembro 02, 2008

O velho demônio ressurge das cinzas

Demônio Dum, ou simplesmente Dum, é o nome do meu derbake. Ele já foi herdado (roubado?) com esse nome. E agora ele voltou à ativa e passeia pelas ruas de Porto Alegre.
Sim, isso mesmo que vocês estão pensando. Comecei a fazer aulas com o Tuerlinckx. E é uma das melhores coisas que fiz por mim nos últimos tempos. Difícil bagarai. Mas muito bom.
Claro que até outro dia eu não tinha parceira para dividir o custo das aulas (não que ele seja careiro, eu que ganho mal mesmo:P), muito menos local. Mas aí apareceu um anjo chamado Karine que abriu seu fofo apartamento no Gasômetro e sua generosidade - e aí, plim, mágica! A única pena é que vai me comer uma hora e meia de dança por semana - mas tem certas oportunidades que não dá para perder. Se for para ser, vou arrumar solução para isso também.
Prevejo dias muito ativos para o Dum. E para nós. Beleza. ^_^

(PS. O anjo é tão anjo que me trouxe do Egito um lenço de moedas escarlate lindo e o vestido baladi perfeito - até roxo é! E me deu! De graçamente. Pode?)

terça-feira, agosto 26, 2008

Uma noite mágica



Show de Douglas Felis em Porto Alegre. Noite de 23 de agosto, Souq Bar.


Pessoas, eu vi. E não vou me esquecer jamais. Jamais.

Douglas é um músico árabe de vanguarda, nascido na Venezuela, mas criado no Egito. Entende muito de seu ofício e traz a ele ares de renovação. Exultei quando soube do show.

Logo lembrei de minha amiga Lory. Estava estabelecida a ponte área Porto Alegre-Salvador!

Douglas começa o show com canto e bendir. Ouvir árabe bem cantado nessa terra é para poucos. Já comecei a me sentir privilegiada. Pombas, só tinha umas quarenta pessoas no show! Como assim! Só em Porto Alegre mesmo. Mas tava lindo, vambora.

Mas podia ficar mais bonito. Aí entra Karina Iman (deusa, deusa, deusa!!!!), imagine, para tocar snujs. E Douglas tocando kawala, que eu achei que era naz mas a Karina me corrigiu depois, Ana Fi Intizarak. Fernanda esmerilhando. Lindo, lindo, lindo! Babei 500 litros.

Então um solo de Karina. Douglas tocando dois bendires (se é que é assim o plural desse negócio). Algo bem raiz, folclórico e pé no chão, uma delícia. Karina dançando majestosa, muito dona de sua dança. Delírio, delírio.

Fernanda de novo. E Douglas fazendo um solo de daff de cair o queixo - muito moço que se diz derbakista por aí não faz com o derbake metade do que ele faz com o daff. DO CA - RA - LHO !!!
Ele tirou muito som dali e ela soube interpretar. Tipo, perfeito.

Mas sempre, sempre pode melhorar. Enta Omri em solo de naz. Karina Iman. Minha adjetivação não chega lá. Lindo. Gosto tanto quando meu senso crítico é chapado na parede por algo tão superiormente bom assim.

Depois, solo de tabla com as duas moças se alternando. Ah, vocês sabem o quanto isso é bom quando quem toca sabe tocar e quando quem dança sabe dançar.

Pra finalizar, Fabiano Tuerlinckx (que se um dia eu conseguir organizar minha vida vai ser meu professor) no derbake e Douglas cantando, botando todo mundo para dançar. Essa parte vocês podem ver aqui. (Aparece a testa da que vos escreve na gravação, quem reconhecer ganha um brinde... rsrs)

Enfim, eu sou muito chata e MUITO crítica. É muito raro eu assistir uma apresentação de dança e/ou música árabes e não reclamar de nada. Essa foi uma das pouquíssimas vezes. E eu agradeço muito a Deus por isso

quinta-feira, agosto 14, 2008

Doce demais

Eu já esperava por isso. Na verdade, eu sabia que as chances de acontecer seriam muito altas. Mas não deixa de ser um baque grande a confirmação.
Fui à uma farmácia na hora do almoço e fiz um teste de taxa de glicose. O normal para aquele horário (uma hora após o almoço) 160. Estava em 372. Sim, estou diabética. Ou deveria ser sou diabética? Que seja.
Isso não precisa ser necessariamente ruim. Quando me descobri bipolar e optei pelo tratamento (porque eu sempre opto por enfrentar, por seguir reto, por passar por cima), minha vida melhorou horrores.
Talvez com a diabetes seja igual. Talvez me ajude a tomar uma atitude positiva em relação ao meu sobrepeso.
Ei, você! Deseje-me sorte...

quarta-feira, agosto 13, 2008

Você é da mesma estrela que eu

Porque nem só de música árabe vive meu HD. (Só que o vocalista é filho de egípcios... ><)





video

Dum dum takata dum takata taka dum dum takata...

Pequeno momento mágico na minha aula de dança.
No finalzinho, minha profi fez uma rodinha para as meninas dançarem, ela no derbake (na verdade é um djambê de Bali, mas ela toca como se fosse e fica ótimo). Aí ela perguntou se alguém podia acompanhar nos snujs.
As meninas gemeram, gemeram, mas ninguém se manifestou. Então a caruda aqui se saiu com um: "Faz muito tempo que eu não faço isso, mas acho que ainda consigo."
E, bem, parece que eu consegui mesmo.
Fiquei muito emocionada. Primeiro, porque eu adoro snujs e é sempre muito legal tocar ao vivo, para pessoas ouvirem e se movimentarem - infinitamente mais legal do que ficar só reverberando nas paredes do seu quarto. E depois, porque há alguns anos eu não tocava acompanhando alguém no derbake. A energia é muito diferente. Lembrei de momentos muito fortes para mim e fiquei com os olhos úmidos.

Delicioso. Adorei. Quero mais. =P

terça-feira, agosto 12, 2008

Pó branco

Ocorreu uma pequena revolução na minha vida esta semana. Eu parei de comer açúcar branco. E isso, na minha alimentação, é algo bem significativo.
Sou completamente compulsiva por doces, em especial os de consistência cremosa, como pudins e mousses.
Isso não seria um problema. Ok, eu sou obesa, mas ainda assim não seria um problema se. Minha mãe não fosse diabética. Meu pai não tivesse sido diabético. Meus avós não tivessem sido diabéticos.
Aí, há mais ou menos um mês, eu passei a beber quantidades pantagruélicas de água – minha colega de escritório brincava que eu parecia sempre de ressaca – e a, conseqüentemente, passar muitas temporadas no banheiro. Quem tem a doença na família reconhece logo os sintomas.
Então eu resolvi tomar vergonha na cara. E uma amiga zen – na verdade, ela é budista tibetana – me mostrou como a coisa podia ser simples: era só decidir e fazer. Simples. E realmente foi muito simples.
Aumentei o consumo de frutas, claro. E deixo o Esposo colocar um dedinho de açúcar mascavo no meu café com leite. Mas era isso. Não fiquei fissurada, não tive nenhuma crise de abstinência, nem nada parecido.
Dizem que eu vou emagrecer horrores, tomara. Não era o objetivo, mas seria uma contra-indicação bem simpática. A verdade é que me sinto mais leve. Já não preciso mais de tanta água. E está ficando mais fácil para levantar de manhã – eu sou daquelas que levanta se arrastando.
Enfim, recomendo para todo mundo. É muito mais fácil do que parece. Bastar optar por você mesma.

segunda-feira, agosto 11, 2008

Na prática, a teoria é outra

Minha sempre me disse isso, a vida inteira. Pior que ela tem razão.
Os livros de auto-ajuda, as terapeutas e mais não sei quem dizem o tempo todo que sua vida é resultado das suas escolhas, que você é exatamente o que você preferiu ser.
Não é que esteja errado... mas, pombas, e quando a gente quer escolher duas coisas? A gente quer a escolha que fez e também a escolha que não fez? Parece tão difícil assim compreender isso?
Desconhecer o limite exato do que é estar livre, do que é idealizar o mundo, de até onde posso ir, de até onde quero ir...
Eu não estou mal, eu não estou triste. Mas eu não sei se estou fazendo a coisa certa. Eu não sei se há coisa certa a fazer. Eu queria que tomassem conta de mim e me dessem uma direção.
E não me venham com: "as respostas estão em você mesma" ou "você é a única que pode fazer isso por você". Eu sei de tudo isso. Todas as respostas estão escritas dentro de mim. Mas eu sou analfabeta de mim mesma.

domingo, julho 20, 2008

Feitiço é bumerangue perseguindo a feiticeira

As coisas estão difíceis. Confusas. Porque existem seres humanos e seres humanos conseguem tornar difícil, penoso e sofrido o que poderia ser duas frases. O que poderia ser uma pequena mudança de atitude. O que poderia ser dois dedos de consideração. Enfim, humanos. Tenho perdido progressivamente a capacidade de me relacionar com eles.

Parece que a minha estabilidade subiu no telhado. Provavelmente se não fossem as amarras materiais que me prendem sempre, amanhã estaria curtindo outro fuso horário ou, pelo menos, outras temperaturas. Infelizmente, fugas são para os bem nascidos. E eu nasci com Saturno na cúspide.

Akiko está indisciplina e indolente. A maior parte do tempo não me dá a mínima. "Você tinha a ilusão que ela fosse nossa? Nós é que somos dela", diz Esposo. Não me convence. Talvez também esteja perdendo a habilidade de lidar com gatos.

Um mês sem dançar. Sem grana. Kuso.

Você tem fantasmas? Eu tenho um. E o pior é que eu procuro ser assombrada. Mas é a velha frase de Renato Russo martelando nos meus ouvidos: "aonde está você agora, além de aqui, dentro de mim?"
Tenho ouvido Lenine também, como indica o título dessa postagem. E outras coisas que gosto cantadas na minha língua.
Bom, nem só de música árabe vive a raqsa, né? (Minha amiga Samya Ju detesta essa denominação, mas ela é tããããão sintética que vou continuar usando.)

quinta-feira, junho 26, 2008

Mais do mesmo

Nossa, desculpem, acabei ficando tanto tempo sem escrever por aqui! Juro que não é descaso. Mas a vida anda mesmo corrida. Tem tantos assuntos sobre os quais quero escrever, mas quando finalmente há tempo o cansaço acaba me vencendo. Deixa eu ir em bloquinhos, para ver se consigo organizar as idéias.

Esposo está na Alemanha, semana e meia já. Volta na próxima quarta. Falta, muita falta demais.
Mas a primeira coisa que eu percebi, nessa partida dele é que meu relógio são os outros. Primeiro final de semana que fiquei sem ele perdi totalmente a noção de horário. Dormi quando devia estar fazendo coisas, fiz coisas quando devia estar dormindo. Só o trabalho me pôs de volta na linha. Meda.

Fiz aniversário. Ganhei tulipas, gérberas, flores, muitas flores. Ganhei cosméticos antiidade, coisas pra deixar o cabelo lindo e o cosmético dos sonhos (Lancôme). Reuni com amigos e tomei vinhozinho. Foi bão. Mas 36 dá aquele friozinho leve na barriga de ser o primeiro passo decisivo para o grande 40. Apenas números. Nada não.

Passei num teste de coral. Foi da instituição religiosa que eu freqüento, mas nosso regente é profissional, quero dizer, rege corais de verdade como profissão.
Ele foi ótimo e me deixou muito calma. E num determinado momento, conseguiu de mim um agudo que eu nunca imaginei que pudesse fazer! E afinadinho! Foi mágico. Descobri, como já desconfiava, que sou soprano. Agora começam os ensaios. Estou ansiosa.

Eu me segurei, segurei, mas já estou metendo meu bedelhinho no mundo bellydançante da internet. Por enquanto isso tem gerado respostas simpáticas, não sei até quando. Enfim. De todas as partes do corpo que eu tenho dificuldade em controlar na dança, a pior, com certeza, é a minha língua.

Por falar em dança, minha professora disse que meu quadril está soltando, "evoluindo". Claaaaaaaaaaro que eu fiquei feliz. É bom que o esforço de meses esteja surtindo efeito. Embora eu desconfie que muito desse elogio é para me consolar da minha total falta de habilidade em tudo que exija giro ou deslocamento...
Mas, enfim, se fiquei feliz, estou bem longe de ficar deslumbrada. Primeiro, porque sei que estou "a caminho" de soltar o quadril, é metade de um processo. Segundo é que hoje, ao contrário de antigamente, eu sei que um quadril solto e uma boa leitura musical não são tudo.
Hoje eu tenho uma noção muito mais nítida da bailarina que eu quero ser. E isso exige precisão, bom domínio espacial (que eu vou ter que lutar muuuuuito para ter), alongamento e graça. Porque eu não quero ser profissional, mas sei que preciso dominar esses elementos para Ter uma dança da qual me orgulhe, com a qual eu consiga me expressar.
O caminho é longo. Mas eu tenho a vida inteira.

Tinha mais para falar de dança. Sobre críticas inteligentes e gente que tenta incutir padrões alienígenas no negócio. Mas vou não, preguiça.

Vou parar de matar trabalho e ir pro meu ensaio do coral.
Beijos a todos.

domingo, maio 25, 2008

Espelho d'Alma

Pessoas, downloadeim de graça, com a autorização da autora, este livro.

É boa literatura. Boa e visceral.

E, além disso, me identifico loucamente. A autora certamente não gostará dessa observação, mas tem experiências que é necessário ser uma bipolar não medicada para passar.

Beijinhos.

quinta-feira, maio 22, 2008

Imagens de Akiko OU como é difícil fotografar uma gatinha

Eu anunciei a postagem dessas fotos, mas acabei me enrolando. Acontece que Akiko é temperamental e não gosta de fotografia, então fica muito difícil tirar fotos boas dela. Ela inventa de se mexer bem na hora do clic. Ou fecha os olhos... Pra tirar, tem que pegar ela de surpresa. Então fiquem com o melhor do que conseguimos e conforme ela for crescendo eu ponho mais.
E logo ela vai ganhar uma irmãzinha, para não ficar sozinha enquanto trabalhamos. Espero que a irmã dela tenha mais vocação para modelo...hehe



Bobeie com o flash e descubra que sua gata na verdade veio da Lua.



Todo mundo nessa casa gosta de dormir. Akiko não é diferente.




Todo mundo nessa casa é guloso... ela nem tá mais magrinha assim!




O mundo por uma janela. (Bem fechada, pra ela ficar segura.)




Bem pequenininha e se mexendo sempre, porque foco é um privilégio que não conhecemos...




Oooooooooon! Mesmo fora de foco, não é a mais fofa?

terça-feira, abril 29, 2008

A chegada de Akiko

A aterrissagem de uma pequena princesa em minha casa está mudando gentilmente minha vida. Ou, se preferirem uma linguagem mais chã, adotei uma gatinha e estou adorando.
Adotei mesmo, que acho absurdo comprar bicho. Ela tinha sido abandonada e estava bem judiadinha quando um veterinário gente boa a acolheu. Aí a mãe da minha amiga adotou, mas o gato que ela já tem, um bichinho de raça beeeeeeeem mimado rejeitou total a filhote. Então ela foi para a casa da minha grande amiga P. Mas P. não está num momento bichinho - embora ela adore muito, muito. (Eu entendo, porque estava assim até agora pouco.) Eu estou, total. Aí, ganhei Akiko, depois da P. cuidar dela com todo carinho por uma semana e engordar ela um bocadinho.
De lambuja, ganhei todo o enxoval-gatinho que a mãe da P. fez questão de dar: sacos de areia sanitária, muitos sacos de ração, brinquedos, mantinha de dormir, potinhos de alimentação, sementes para graminha digestiva, vacinas e castração quando ela fizer seis meses..
Ela é uma mestiça de pêlo preto ruço – mas muito macio - , com traços que entregam algum sangue siamês nas veias. Tem olhos verdes enormes que são quase toda a carinha e ronrona mais alto que muito motor de geladeira velha. Com ela shimmie não tem mistério.
O Esposo era o mais receoso quanto à idéia de adotar um animalzinho, porque nosso ovo, digo, apertamento, é deveras minúsculo. Mas já está completamente enfeitiçado. Ela é cheia dos charmes e, segundo ele, usou de todo seu poder de sedução para mantê-lo em casa, quando percebeu que ele estava se vestindo para sair.
E ainda mais: a gata tem o mesmo pendor letrístico dos donos: entre tantos lugares da casa, ela foi escolher a estante de livros para dormir...
Aguardem para breve fotos, muitas fotos...

terça-feira, abril 15, 2008

Muito trabalho e acontecimentos

Ando sumida daqui, né, meu povo? Mas ninguém acessa isso aqui com periodicidade mesmo, convenhamos.
Acontece que estou trabalhando muito. Parece brincadeira, mas não é. Achava que a bipolaridade era minha única doença, mas o que! Dou importância demais ao trabalho, me envolvo emocionalmente com ele, perco a noção do que realmente é urgência e prioridade. Estou trabalhando isso, claro. Tenho uma excelente terapeuta e o melhor psiquiatra do mundo. Tudo vai dar certo, sempre.

Léo e Lory, dois amigos queridos lá da distante e linda Salvador, se casam hoje. Apesar da distância, de nunca nos termos tocado e ouvido os respectivos sotaques, amo aqueles dois. Dessa louca maneira virtual que a gente vive, vi a amizade deles se tornar namoro, se tornar amor, se tornar um. Eu bem sei que casamento é lindo, mas é difícil, é cousa complicada. Mas nada, nada me impede de desejar o melhor de toda essa complicação para aqueles dois.

O avô de P., a grande amiga da vida real, faleceu. E os homens de branco nem sabem o porquê. Ele se foi bem no meio de um exame que talvez esclarecesse alguma coisa... A verdade é os homens de branco nunca sabem nada. Fora meu psiquiatra, mas ele não usa branco. Enfim, não importa.
É uma pessoa que vai fazer muita falta. Não só porque era um avô e a gente deve gostar dos avós. Mas porque ele era uma pessoa muito especial. Mais soube dele do que convivi, mas as poucas horas em que conversei com ele - na formatura da P. - foram suficientes para constatar o quanto ele era uma pessoa doce e carinhosa. Sei também que era muito generoso e culto - não é muito comum entre ex-oficiais da polícia civil lerem Thomas Mann e Nietzsche (Sem preconceito, eu os tenho na família, mas é a real. Não é muito comum para a média dos brasileiros, na verdade. Nem eu que sou mestranda li Nietzsche.)
Minha amiga está com uma grande ferida no peito que eu conheço bem, porque já perdi um pai.
E por isso também sei que o tempo - só ele - ajuda.

Reencontrei, nessa net louca, minha amiga Patrícia Nakamura, provinda de uma longínqua encarnação, em que eu era jornalista de redação (interessantes tempos... bons seria demais). A moça ficou jornalista e tem histórias mais divertidas para contar do que eu . Aproveitem o link aí do lado e se divirtam. Bem vinda às minhas lonjuras bloguísticas, Naka!

quarta-feira, abril 09, 2008

Neste dia tão especial, cante Smiths comigo!

I've come to wish you an unhappy birthday
I've come to wish you an unhappy birthday'
Cause you're evil
And you lie
And if you should die
I may feel slightly sad
(But I won't cry)

segunda-feira, março 17, 2008

Revertério

Tarde de calor na Fundação. Eu e C., meu amigo e nosso assessor de imprensa, somos  os mais formigas e acabamos convencendo L., a contadora e também minha amiga, a "rachar" um pote de sorvete no armazenzinho da esquina. Sorvete de bombom, uma doçuuuuuuuuuura.
Mal acabado o quitute, crise de cantoria em C. Quatro e meia da tarde, todo o calor do mundo e  o moço começa a cantar... Amado Batista! Sim, senhoras e senhores, nada menos que o rei do brega em todo seu esplendor.
Passados alguns minutos o moço se torce e põe a mão na barriguinha. Eu e L., imediatamente, nos voltamos para ele.
- Mas me deu uma dor de barriga agora. E o pior é que eu não sei se é do sorvete ou se é da música...
-...

terça-feira, março 11, 2008

Um dia que segue outro dia que segue outro dia

Olá, pessoas! Desculpe se fiquei muitos dias sumida. Não estava deprimida, nem com algum problema. É que viver tem me tomado um tempo imenso da agenda.
Pode parecer pouco, mas não é. E eu tenho vivido muito. E observado. E curtido.
Observo sobretudo os seres humanos, as relações humanas, como se dão. Vejo as pessoas caindo como patinhas nos arquétipos de seus signos solares e rio, lembrando do meu velho amigo Rafa.
Outro dia eu tive que fazer serviço de rua e estava chovendo. Eu fiquei pensando o que eu poderia fazer na chuva que não era possível fazer no tempo seco. Cantar! Com o chuvaredo, ninguém te ouve. Comecei a cantar Smiths alto, como há tempos não fazia e fiquei com saudade do meu primeiro namorado - que ainda hoje é um dos meus melhores amigos e pessoa muito relevante na minha vida.
Em geral, almoço com o Esposo - e é uma delícia. Marcar encontro com o próprio marido, sabe como é? Pena que vou ter que cortar esse hábito daqui a pouco - senão a gente não consegue economizar para mudar de casa e todas as outras coisas que planejamos.
Outro hábito artístico pouco usual é ficar treinando o oito maia (o danado) enquanto pego a fila do banco. O mais discretamente possível. Eu acho.
Vou ver se tiro umas fotos do jardim maravilhoso do meu escritório e posto para vocês babarem de inveja. Tenho que me lembrar sempre de adorar esse jardim, antes que vire daquelas coisas tão boas com as quais a gente se acostuma na vida.
E ultimamente me deu uma saudade de brincar com giz de cera...rs (Sim, é uma piada muito interna.)

quinta-feira, fevereiro 21, 2008

Das boas coisas do meu trabalho

Acho que já falei que estou adorando meu trabalho, mas não disse com todas as linhas o porquê.
Primeiro, porque me dá uma rotina e me recoloca no mundo.
Segundo, porque se trata de uma entidade ambiental respeitada e eu me orgulho de fazer parte, ainda que pequena, desse trabalho.
Além do mais, é perto da minha casa e de tudo. Adicionalmente, apesar de estar quase no centro de Porto Alegre, fica no fundo de um dos jardins mais fantásticos que eu já vi. Plantas em estado quase natural, nada de canteirinhos recortados.
Mas uma das coisas que eu mais curto são os pequenos encargos. Aquelas tarefinhas que a maior parte das pessoas com a minha formação se sentiria humilhada ou entediada em fazer, mas eu, como sou doida, adoro.
*Varrer. Adouro. Principalmente as folhas do jardim (a gente não varre e joga fora, só empurra elas das pedras do caminho e devolve pra terra, pra elas se transformarem em adubo natural). Me sinto uma monja budista e ainda faço exercício aeróbico logo de manhã.
* Fazer o café. Quem faz mesmo é a cafeteira. Mas adoro o ritual de preparar coisas e oferecê-las as pessoas.
* Atender o telefone. Dizendo bom dia ou boa tarde com todo o entusiasmo. É legal ver como a disposição das pessoas muda.
* Alimentar as tartarugas. Tem tarefa mais fofa que essa? São três, o Hugo, que é o macho e as meninas, Cascuda e Orange. Além de alimentar, de vez em quando a gente tem que desvirar o Hugo. Ele é cego de um olho, mas insiste em querer cobrir as fêmeas. Aí, como ele é meio desajeitadinho e às vezes elas saem de baixo, ele cai de cabeça para baixo e fica lá, tadinho, até a gente ver e desvirar.
Além disso, com o jardim, além das pausas para o cafezinho, a gente tem pausa para observar as orquídeas, para admirar uma lagarta mais colorida, para acompanhar o desenvolvimento de um ninho. Sou ou não sou uma mulher de sorte?

quarta-feira, fevereiro 13, 2008

Trabalho, enfim!

É isso, galera, depois de um desemprego que se arrastava desde 1997, com uma pequena pausa de três meses em 2005, estou empregada. E num lugar muito, muito legal. Uma das entidades ecológicas mais respeitadas de Porto Alegre - e não apenas.
O mais interessante é que esse emprego caiu, praticamente, do céu. Eu não procurei por ele, eu não pedi por ele, ele me foi oferecido. Dentro de um recinto sagrado, "por acaso".  É, eu estou bem contente.
A única coisa menos "uau" disso tudo é que adia meus planos de ter um bebê. A pessoa precisava de alguém que ficasse direto pelo menos um ano e meio, para dar andamento no trabalho que tem de ser feito. Eu aceitei fazer um acordo. Não achei abusivo, a coisa toda foi feita com muita franqueza e sem pressão - ainda mais que eu não preciso desesperadamente do salário para viver, graças ao marido - só um cadinho frustrante. Por outro lado, vai me proporcionar condições de ter um parto como eu quero (natural, em casa, com doula etc - dentro das possibilidades médicas, é claro) quando isso acontecer. Até lá, ir tocando.
Por falar em frustração, minha segunda aula "retomatória" de dança foi menos sofrida. Apesar de ter bastante giro e deslocamento, coisas em que não me considero boa. Mas o corpo obedeceu mais e me pareceu menos assustado com a idéia de voltar a se mexer. Um dia eu chego lá.

terça-feira, fevereiro 12, 2008

Frustração

Hoje tive a minha primeira aula de retomada da dança do ventre. Preparei-me toda, cheguei mais cedo, deu para bater um bom papo com a professora - que é um doce de coco, como já se sabia e esperava. E fomos para aula.
O tema era relativamente simples: redondos, oitos, ondulações e suas combinações. Não que não se possa aprender nada a respeito, mas não era nada que oferecesse dificuldade física na sua execução. Eu achava.
Mas, amigo ouvinte, cinco anos não são cinco dias. E cinco anos é exatamente o tempo que eu estou parada. Eu sabia como fazer os movimentos. Meu cérebro sabia. Sabia como fazer sem desencaixar o quadril, levantando ou não os calcanhares. Só que o corpo não sabia mais.
Os movimentos saiam contidos, travados, descontinuados, sujos. Eu olhava para o espelho e não acreditava. Meu oito maia era uma coisa tititiquinha de nada - embora eu soubesse que o movimento estava sendo feito no sentido e direção que devia ser. E, sabe, eu costumava ter orgulho do meu oito maia - era uma coisa ampla e contínua, parecia que a onda vinha de fora de mim.
Eu sei, eu sei, vocês vão me dizer que eu criei expectativa demais para uma primeira aula. Mas é que eu sabia que minha dança tinha caído muito, mas achava que PELO MENOS em redondos, oitos e ondulações eu não me sairia tão mal. Mas não foi assim.
É muito triste a gente perder totalmente o controle de algo que antes dominava com facilidade. Dá uma sensação de impotência gigantesca. Além disso, estou toda dolorida.
Sosseguem, não estou nem pensando em desistir. Mas que dá uma baita sensação de "ai, que puxa", isso dá.

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

Comemorazushi

Ontem , finalmente, eu e minha sensei vitalícia terminamos de passar a revisão (feita pelo novo editor) do livro que traduzimos quando eu estava na graduação. Estávamos nesse trabalho minucioso há quase um ano. Chegar no último capítulo foi um alívio indescritível. E agora, se tudo der certo, o livro deve ser publicado antes do final do ano! E pensar que eu comecei essa tradução em 2000!!!
Bom, terminado o trabalho, uma mal sabia como convidar a outra para comemorar. Eu estava pensando num choppinho. Ela tinha uma idéia mais ambiciosa. Pegamos o Esposo - de quem ela gosta muito - e fomos comer sushi. E quando se fala da minha sensei, é para ser sushi da melhor qualidade. Ela pagando.
Foi uma lambança! Não comia tão bem há muito tempo. Nem bebi, mas a alegria do trabalho terminado, somada à explosão de sabor dos sushis e sashimis me deixou alta. Foi uma delícia.
Para terminar, fui de café com tortinha, na cafeteria ali do lado. Eu não passo mesmo sem sobremesa.><
Agora só preciso começar o trabalho com a minha dissertação. Terminá-la será um prazer maior ainda.

sábado, fevereiro 09, 2008

Sumiço involuntário

Confesso que sumi. Mas não foi uma das pausas para reflexão de antigamente. Pelo contrário. Estão acontecendo muitas, muitas coisas boas na minha vida e não tem sobrado tempo para parar na frente do computador. Vejo os emails, no máximo um ou dois links de vídeos que me mandam, respondo o indispensável e tchau. Sinto falta de ter tempo de ficar lendo e lendo na tela, preparando posts monstruosos, mas acho que foi uma época que acabou. Isso porque ainda não caí de cabeça na minha dissertação de mestrado, a mal falada. Mas no meio disso tudo não deixo vocês - que hoje são muito poucos. Mas me dá prazer ter um blog, de qualquer modo.

Esses dias, por motivos que não vou abrir ainda, fui comprar umas pecinhas de roupa novas. Resolvi não me estressar e não ficar ficar xingando as minhas formas: fui numa loja de roupa para gordinhas mesmo. Aqui em PoA temos umas poucas lojas para gordinhas com menos de 65 anos e foi numa dessas que eu fui. Uma delícia. Poder escolher as peças pela beleza e pelo que tivessem a ver comigo e não pelo perigosíssimo critério: "você tem do meu tamanho?" E sabe, eu estou gorda, mas não sou exatamente um mamute. Não preciso de uma tenda de circo para me vestir. Essas roupas poderiam estar tranquilamente nas araras das lojas ditas de roupas ditas "comuns", porque as pessoas acima do peso não são uma minoria tão insignificante em nosso estado. Mas é que as lojas para gordinhas outro diferencial, né? O preço. Com os mesmos dinheiros com que comprei oito peças para o magérrimo Esposo há um mês, levei apenas três peças. Claro, se gasta taaaaaanto tecido a mais... Como diria minha querida amiga I., é um cu.
De qualquer modo, foi uma compra que valeu. Só não fiquei mais feliz (e não levei mais) porque a lojinha "muderna" está seguindo à risca a modinha atual, cujas cores berrantes e padronagens escandalosas não agradam muito meu gosto de perua clássica. Nada é perfeito.

segunda-feira, janeiro 21, 2008

Mais de mim mesma

Passei a tarde de hoje tomando um agradável café com uma dançarina daqui de Porto Alegre. Ou melhor, de Esteio. Uma das melhores dançarinas que eu já conheci, diga-se de passagem. Enfim, falamos.
Falamos muito de dança e muito da vida também. De relacionamentos e de ecologia. Histórias pessoais e vegetarianismo.
A gente sempre aprende muita coisa com as pessoas, só de conviver. Mas essa moça, nesse momento, me mostrou umas direções importantes e interessantes de vida.
Ela é daquelas pessoas que tem uma confiança inabalável no poder de mudar a própria vida. Desde a postura de dança através da consciência corporal até que se a perda de peso através da mudança da alimentação - sem médicos ou nutricionistas envolvidos.
Pode não parecer, mas eu sou uma mulher muito religiosa. Eu realmente acredito, como dizia meu doce e querido pai, que "não cai uma folha de uma árvore sem que Deus o permita". Mas eu aprendi, dos próprios orientadores da minha religião, que "a gente faz a permissão" - no sentido que é a nossa postura que determinará o nosso destino, que nos colocará de acordo com a vontade de Deus e, em conseqüência, com os desígnios dele. Resumindo, que cabe à nossa iniciativa mudar nossas vidas.
É o tipo de coisa que todo mundo está careca de saber, mas que eu estou vivendo com mais concretude agora. Eu tenho uma dissertação que quero ver terminada e cabe a mim, a ninguém mais, trabalhar nela. Eu tenho um rolo de gordura sobre o meu estômago que me incomoda e atemoriza (por causa da relação direta entre adiposidade abdominal e doenças cardiovasculares) - e cabe a mim tirar ele de lá. Minha dança está chocha e com os passos sujos - idem. Eu quero caminhar de manhã mas não levanto da cama. E por aí vai.
Estou num momento particularmente abençoado. O que não tira a minha responsabilidade sobre o progresso que eu quero continuar obtendo.
Um belo dois mil e oito para todas nós. Já disse?

sexta-feira, janeiro 18, 2008

Alquimia cotidiana

Em outro tempo, outro blog, outra encarnação, eu escrevi sobre os prazeres que a culinária pode nos dar. Mas era o contexto específico de se preparar o alimento para o homem que se ama. Não é disso que quero falar agora.
Ontem estava cozinhando para uma amiga que se recupera de uma cirurgia (nada sério, uma lipo) e, enquanto o fazia, refleti um pouco sobre a beleza deste ato.
Fora a delícia de estar se doando, de estar dando seu tempo e energia para o prazer e nutrição do outro - o que pode nem acontecer, você pode cozinhar para você mesmo e ser um momento mágico também - a coisa em si é toda muito bonita.
Alimento não chama assim por acaso, são pedaços de energia e beleza. Acaso alguém é capaz de dizer que não são belas as tiras fininhas de cebola que escorregam pela faca, que não é a coisa mais doce a textura dos cogumelos sob a água, que não existe poesia em limpar uma batata e transformá-la em cubinhos? Tudo isso te nutre enquanto você ainda está cozinhando.
Tem um perfume que eu acho o supra-sumo da culinária cotidiana ocidental. Alho fritando num bom azeite. Aquele aroma inebriante que faz as pessoas virem até a cozinha - até aquelas que acham que nem gostam de alho - e dizerem: "Hmmm, isso já está cheirando bem!" Claro que tem coisas mais sofisticadas como a sinfonia do chocolate derretido cobrindo as trufas, mas nem precisa tanto.
Culinária é magia, ao nosso alcance, todos os dias.

terça-feira, janeiro 15, 2008

Ureshii

Feliz! Feliz! Feliz! Está confirmado: eu volto a dançar neste mês de fevereiro. E com uma professora que eu admiro muito muito.
Entendam bem: eu volto a dançar depois de quase cinco anos parada. E dançar é muito, muito, muito, muito para mim. Sim, estou repetitiva e superlativa. Mas é só para que fique claro o quanto isto significa para mim. O quanto quero voltar a poder me expressar com meu corpo, coisa que costumo fazer muito, muito melhor do que com palavras. É como se estivesse sendo envolvida por um rio refrescante de coisas boas depois de uma longa, longuíssima travessia pelo deserto.
Obrigada.

segunda-feira, janeiro 14, 2008

Palavreado

Não quero mais tuas histórias pintadas de sangue. Tuas narrativas de olhos molhados.
Não quero mais teus contos de amor e de morte. Tuas crônicas policialescas de suicídio e de dor. Chega. Um dia elas talvez voltem a ter seu espaço, mas agora chega, não há mais paciência para tudo isso.

Quero tuas pequenas vitórias. Tuas alegrias cotidianas. Quero ouvir falar de gatos e de bebês. Quero histórias com flores e terra molhada. Relatos de véus de seda e lantejoulas. Crônicas sobre livros e filmes que mexam com teu coração. Admito tristezas e até alguma impaciência, mas dou preferência ao que vier pontuado por um breve sorriso.

sexta-feira, janeiro 11, 2008

Chuva de verão

Lavando, revirando, refrescando tudo. Gotas e mais gotas se espalhando sobre a terra quente. É tão bom. A brisa que vem refresca os corpos ferventes também. Como faz calor em Forno Alegre.
Tão boa, tão boa essa chuva.

Depois da saga da vesícula, agora meu pâncreas resolveu dar o ar da graça. Tem doído. Lá vou eu pro médico de novo. Acho que o pâncreas não dá para tirar assim, impunemente, que nem a vesícula, né?

Não tem nada a ver com nada, mas cada dia mais eu me dou conta da necessidade de economizar recursos naturais. Sem querer ser ecochata, mas a situação do nosso planetinha está caótica, pessoas. Estou querendo dar uma revirada legal na casa para fazer a minha parte. Outro dia quis insultar um moço que lavava va-ga-ro-sa-men-te a calçada do trabalho com uma mangueira, gastando litros, litros e mais litros de água potável para empurrar poeira de um lado para o outro. Só a vergonha (talvez vergonhosa, de minha parte) de ser tachada de louca me conteve. Devia haver multa para esse tipo de comportamento - e fiscalização para aplicá-la. Que puxa.

quinta-feira, janeiro 10, 2008

E depois de tanto tempo...

...tenho ganas de escrever. Escrever diferente do que escrevia antes, ainda assim escrever. Escrever sem revisar para catar os erros porque tenho vergonha de que alguém descubra que por vezes eu escrevo as palavras do jeito errado e que eu não sou lá grande datilógrafa (uau, é digitadora, mas mantenho essa pérola do passado - um dia terei que contar a meus filhos o que veio a ser uma datilógrafa). Escrever sem definir o que é ou não ficção. Escrever sem regras e sem me importar com o porquê.
Enfim.
Tenho ganas de escrever. Porque a minha amiga vai embora e isso mexe muito muito comigo. Porque ela é muito especial sabe, não é a amiga por acaso. Ela é a única que entende o que eu digo, às vezes. E a gente lê os livros e vê os filmes que o resto do mundo detesta - nem sempre são os mesmos, os de uma e os de outra, mas a gente se entende mesmo assim. Falando em filme, ela me levou pra ver aquele filme do Benício del Toro que está em cartaz. É, aquele com a moça do Oscar. Lindo. Lindo. Muito lindo. Não, não estou falando do Benício, mas do filme mesmo. Uma história muito bem narrada, com muita sutileza e dignidade. O filme sobre relações humanas mais bem feito que eu já vi nos últimos tempos. Vejam.
Falando em relações humanas, uma faceta que aparece no filme é a de que nada é fácil, a vida está cheia de transformações que não prevemos nem desejamos e lidar com ela é uma luta diária, que vamos vencendo aos bocadinhos. Aí eu penso de novo na minha amiga que tem uma vida toda para vencer e que tem muito medo. E eu digo para ela que ela vai conseguir de boa. Porque eu digo isso para mim mesma. E digo a Deus: "Ela é muito, muito especial, ela tem que conseguir, ainda que eu não. " Ela vai. Daqui a pouco ela volta, deixando toda uma vida para trás, pessoas e cachorros que farão imensa falta. Vai ser duro, mas ela vai superar. E superar esse mundo profissional carrasco, também.

Eu quero desistir do Mestrado. Mas todo mundo brinca, me anima, não leva a sério e eu não consigo. Mas eu realmente não tenho idéia de como tocar esse troço. Tenho de como não tocar. Enfim.

Alguém sabe me responder com precisão qual é a cor dos olhos do Benício del Toro?