quinta-feira, fevereiro 21, 2008

Das boas coisas do meu trabalho

Acho que já falei que estou adorando meu trabalho, mas não disse com todas as linhas o porquê.
Primeiro, porque me dá uma rotina e me recoloca no mundo.
Segundo, porque se trata de uma entidade ambiental respeitada e eu me orgulho de fazer parte, ainda que pequena, desse trabalho.
Além do mais, é perto da minha casa e de tudo. Adicionalmente, apesar de estar quase no centro de Porto Alegre, fica no fundo de um dos jardins mais fantásticos que eu já vi. Plantas em estado quase natural, nada de canteirinhos recortados.
Mas uma das coisas que eu mais curto são os pequenos encargos. Aquelas tarefinhas que a maior parte das pessoas com a minha formação se sentiria humilhada ou entediada em fazer, mas eu, como sou doida, adoro.
*Varrer. Adouro. Principalmente as folhas do jardim (a gente não varre e joga fora, só empurra elas das pedras do caminho e devolve pra terra, pra elas se transformarem em adubo natural). Me sinto uma monja budista e ainda faço exercício aeróbico logo de manhã.
* Fazer o café. Quem faz mesmo é a cafeteira. Mas adoro o ritual de preparar coisas e oferecê-las as pessoas.
* Atender o telefone. Dizendo bom dia ou boa tarde com todo o entusiasmo. É legal ver como a disposição das pessoas muda.
* Alimentar as tartarugas. Tem tarefa mais fofa que essa? São três, o Hugo, que é o macho e as meninas, Cascuda e Orange. Além de alimentar, de vez em quando a gente tem que desvirar o Hugo. Ele é cego de um olho, mas insiste em querer cobrir as fêmeas. Aí, como ele é meio desajeitadinho e às vezes elas saem de baixo, ele cai de cabeça para baixo e fica lá, tadinho, até a gente ver e desvirar.
Além disso, com o jardim, além das pausas para o cafezinho, a gente tem pausa para observar as orquídeas, para admirar uma lagarta mais colorida, para acompanhar o desenvolvimento de um ninho. Sou ou não sou uma mulher de sorte?

5 comentários:

Anônimo disse...

De sorte não só pelo trabalho mas pela forma como o encara. risos.
Li tudo de uma vez. Adorei. Virou um diário mesmo.
"Lendo-te" me deu até vontade de escrever.

Eu lhe reverencio.

Lord Léo.

Lory disse...

Ai que delícia, amiga!
Tb quero alimentar tartarugas!

yallah disse...

Trabalho massa, Samy. Bicho, planta, vida. Nada de ar-condicionado, cartão de ponto, copo plástico descartável e enfadonha rotina. Varrer jardim é delícia crocante! Alimentar Hugo, Cascuda e Orange parece bom demais. Trabalhar para uma instituição que a gente respeita então... tem sorte mesmo, menina! Tô feliz!

Isabela disse...

Olá, Sammy!

Desculpe meu sumiço infeliz... Devo admitir que, assim como tenho o bom hábito (pelo menos eu considero bom) de "fumaçar" na frente de pessoas queridas apenas para desejar-lhes um ótimo dia, há momentos em que me desmaterializo quase completamente (e disso não gosto muito, mas ainda não consigo evitar).

Mas adorei a Samy que estou encontrando agora! Parabéns!

Samara L. disse...

Isa, meu anjo,

Eu já sabia como tu eras quando te conheci e te aceitei e te adorei exatamente como tu eras.

Mas fico feliz com as voltas, sempre. Seja sempre bem vinda.

Beijos.