terça-feira, fevereiro 12, 2008

Frustração

Hoje tive a minha primeira aula de retomada da dança do ventre. Preparei-me toda, cheguei mais cedo, deu para bater um bom papo com a professora - que é um doce de coco, como já se sabia e esperava. E fomos para aula.
O tema era relativamente simples: redondos, oitos, ondulações e suas combinações. Não que não se possa aprender nada a respeito, mas não era nada que oferecesse dificuldade física na sua execução. Eu achava.
Mas, amigo ouvinte, cinco anos não são cinco dias. E cinco anos é exatamente o tempo que eu estou parada. Eu sabia como fazer os movimentos. Meu cérebro sabia. Sabia como fazer sem desencaixar o quadril, levantando ou não os calcanhares. Só que o corpo não sabia mais.
Os movimentos saiam contidos, travados, descontinuados, sujos. Eu olhava para o espelho e não acreditava. Meu oito maia era uma coisa tititiquinha de nada - embora eu soubesse que o movimento estava sendo feito no sentido e direção que devia ser. E, sabe, eu costumava ter orgulho do meu oito maia - era uma coisa ampla e contínua, parecia que a onda vinha de fora de mim.
Eu sei, eu sei, vocês vão me dizer que eu criei expectativa demais para uma primeira aula. Mas é que eu sabia que minha dança tinha caído muito, mas achava que PELO MENOS em redondos, oitos e ondulações eu não me sairia tão mal. Mas não foi assim.
É muito triste a gente perder totalmente o controle de algo que antes dominava com facilidade. Dá uma sensação de impotência gigantesca. Além disso, estou toda dolorida.
Sosseguem, não estou nem pensando em desistir. Mas que dá uma baita sensação de "ai, que puxa", isso dá.

2 comentários:

yallah disse...

Ah, mas trava mesmo! Com um mês de férias meu quadril já dá uma enferrujadinha. Foon. Veiêra. Mas volta tudo rapidinho. Desanima não e força no maia!

Lory disse...

Menina, qndo eu passo 15 dias sem aula fico toda esquisita na aula d eretomada... quem dirá 5 anos. Relaxa. Vai ser mais rápido retomar do que o tempo que vc ficou parada. Com certeza! Bjocas!