quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Patifarias e mizmares

Enquanto o mundinho bellydance se agita com o plágio escancarado – e vergonhoso - que Hayet el Helwa fez do texto sobre shaabi de Roberta Salgueiro, meu interior mergulha no mundinho das rababas e mizmares.
Não, eu não entendo de folclore. Não, eu não sou especialista em folclore – bem que eu queria. Mas uma coisa que eu não posso negar é que meu corpo vem sendo progressivamente "puxado" por esse tipo de música, cada vez mais intensamente e não há nada que eu possa fazer a respeito.
Acho as clássicas maravilhosas, até choro com algumas. Mas o meu corpo se move confuso entre as frases grandiloquentes e as variações súbitas de ritmo.
Folclore, não. Posso até estar fazendo outra coisa, mas meu quadril vai se mexendo sozinho, meus ombros shimmeiam, é mais forte que eu. Preciso estudar essa coisa para fazer meu quadril ir na direção certa, meus ombros entrarem da maneira correta, minhas mãos baterem palmas como se deve.
Para piorar meu vício, amiga Lory me mandou um monte de CDs com música ghawazee (adouro!), fallahi, baladi e alguns saids. Tô perdida.
Espero que da mesma forma que veio a música, venham os ensinamentos também. Porque, para mim, a primeira palavra para folclore é respeito.

4 comentários:

Lory disse...

Fror, que seu "frocore" fica ainda mais "binito" com as inspirações do CD. Beijinhos baianos.

Ket disse...

hey Samy
Assisti teu Baladi.
Que gostoso!
Dá pra perceber totalmente como se encaixa em você, no teu ritmo, no teu gosto.
lembra de tudo o que em disse logo depois do meu solo? Aquelas coisas maravilhosas que me fizeram crescer mais um pouquinho?
Gostaria de ter estado ali, pra te dizer muito daquilo no teu solo.
Parabéns!

=*

Natalia disse...

Samara, concordo plenamente. Folclore tem mesmo (pelo menos comigo) essa coisa de te "puxar" pra dentro dele. É forte e nada etéreo. E a gente às vezes precisa mesmo, pôr o pé no chão.

Ah! Amei a expressão "shimmeiam" rsrsrs...

Beijocas!!

Luana Mello - Dança do Ventre disse...

Ah vc tem razão, temos que ter muito respeito ao folclore, por que ele não é algo que podemos 'influenciar' com a nossa cultura, como acontece muito no Brasil.

Folclore sim tem que ser iguarquenem, isso na minha humilde opinião!

Mas fico muito feliz de saber que vc está achando o caminho da sua dança!

Linda, parabéns!