quarta-feira, maio 09, 2007

A mulher que tinha lembranças demais

Esfriou. E com o frio mudaram os cheiros, cheiros de inverno, de outono. Ela começou a se confundir, porque o aroma da nova estação trazia uma série de emoções do ano anterior e ela já não sabia mais o que sentir.
O cheiro do café lembrava certo diálogo que ela preferia esquecer, o do seu casaco lembrava quando ela o encharcou com as próprias lágrimas, a calefação do bar lhe dava certa nostalgia. Os aromas do parque no frio lembravam as conversas com uma amiga e as várias tardes em que vagara sem destino, procurando por algo que sabia não estar lá.
Todas essas lembranças causavam emoções que não cabiam mais no novo cotidiano que construíra durante a primavera e o longo verão. E ela se enrolava, tentando descobrir como desligar o botão da memória.

2 comentários:

Lory disse...

A memória podia ter alguns botões. O coração tb, né, flor?

ro salgueiro disse...

saudade vem com cheio, isso é o pior dela...