segunda-feira, setembro 11, 2006

Batei e trancar-se-vos-á

Para sempre
Se manterá fechada e imóvel
Ainda que você bata por noites e noites
Até você manche tudo de sangue vivo, expondo em carne viva o nó dos dedos
E deixando pedaços das unhas entranhadas na madeira
E mesmo que tente fazer entrar pelas frestas os gritos de dor
E passar todo seu amor imenso fracionado pelo buraco da fechadura
A porta nunca, nunca se abrirá.

Porque esse mundo é árido e você está sozinha
E em muitos cantos não sobra espaço para o amor cristão, nem para o perdão
Porque existe recantos para onde os anjos não ousam olhar.

E neles eu habito...

3 comentários:

Bruna_ disse...

Já viste em algum lugar, que os anjos vão para o céu, mas nós,podemos ir para qualquer lugar.
Se quiser eu vou até visitar contigo, ; )

Lôla disse...

Amiga, o bonito está naquilo em que a gente se identifica. Falava sobre portas esta semana com parceiros de trabalho. Sobre portas abertas, entreabertas e portas fechadas à cadeado.... Obrigada pela sua sensibilidade geminiana de ser!

Anônimo disse...

Uma vela colorida,
na penunbra,
dos recantos onde
os anjos não olham.

Sta Leal.

Lord Léo