quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Dois pra lá, dois pra cá

"O que mesmo eu estou fazendo aqui?" Perguntou-se já deslizando na pista, ao som de antigos boleros. Ela começara a fazer dança de salão por insistência das amigas da academia. E até achara legal. Aí, o pessoal a arrastou para esse baile - um lugar onde se podia realmente dançar. Mas acontece que aquilo parecia um baile da terceira idade, todo mundo parecia muito, muito mais velho do que ela. "Essa definitivamente não é a minha praia." Foi quando aquele senhor a tirou para dançar e ela aceitou pela insistência das amigas. Só esperava que ele não viesse com gracinhas.
Reloj detén tu camino porque mi vida se apaga...
Mas ele foi muito, muito respeitoso. Dançava com a distância correta e nem mesmo ficou puxando papo. Ele dançava bem. Ela foi se deixando envolver pelo ritmo. Quando se deu conta, estava muito, muito tranqüila, com uma grande sensação de bem estar.
Então percebeu que essa sensação agradável tinha uma fonte: o perfume dele. Não apenas o que ele estava usando, mas o que exalava da pele morna sob a camisa de seda. Sem que se desse conta, aninhou a cabeça no peito dele, que era bem mais alto. Por um desses mistérios da vida, ela nunca se lembrou com exatidão do momento em que o fez, ele jamais se esqueceu.
Ojos negros piel canela, que me llegan a desesperar...
O fato é que quando se deu conta, estava encostada no peito do homem. E começou a observá-lo melhor. É verdade que ele era um coroa. Devia ter de dez a quinze anos a mais que ela. Mas ainda era um homem muito bonito. O rosto anguloso, a pele ocre que brilhava e os fartos cabelos negros, salpicados de fios prateados. Era tudo muito bonito e passava a idéia de grande dignidade.
E jeito que dançava. Como a conduzia com firmeza, como se ela fosse leve, muito leve, parecia uma pluma. Um homem que sabia como e aonde queria ir. Chegou a pensar que seria bom ter um guia desses nas noites da sua vida.
...que le dio luz a mi vida apagándola después ...
Instantes depois, começou uma seleção de twist. A dança acabou. E ela já estava apaixonada.

2 comentários:

ro salgueiro disse...

Que doçura...

Lorena disse...

Quem nunca se apaixonou por um homem pela forma como ele te conduzia numa dança precisa ir a mais festas dançantes... ai ai... Rs!